PENSAMENTO DO DIA
PENSAMENTOS e NEGÓCIOS

JANEIRO de 2004


www.nossosaopaulo.com.br

Voltar ao Atual

05/Janeiro/2004:

 

"A FÉ GENUÍNA"

"A FÉ genuína não é uma simples crença, mas um estado de transparência mental, onde aceitamos com sinceridade o nosso passado e com esse estado mental, preparamos nosso futuro."

( Budismo Shin )

06/Janeiro/2004:

"OPORTUNIDADE"

"... com este corpo, tenho a chance única de atravessar da margem da ignorância para a margem da sabedoria."

( Budismo Shin )

07/Janeiro/2004:

"OS JOVENS"

"Os jovens de uma nação são os curadores da posteridade."

( Benjamin Disraeli - 1804/1881 )

08/Janeiro/2004:

"O EGOÍSMO"

"O mais alto significado da vida é quando despertamos para o autoconhecimento e a realização plena do eu. Para que possamos entender esse pensamento, devemos questionar a nossa postura egoísta."

( Budismo Shin )

09/Janeiro/2004:

"A UTOPIA DA INTERNET LIVRE - parte 1"
click aqui e veja o texto na íntegra

"O grande afã da humanidade pela liberdade, a qualquer preço, trouxe na tecnologia dos tempos modernos, mais especificamente nos anos 90, o fenômeno da internet, a rede mundial dos computadores, onde as pessoas, de qualquer parte do mundo, começaram a se encontrar, trocar mensagens, conversar e mesmo 'verem-se uns aos outros', a custos muito acessíveis.

Este fenômeno, no início, assustou aos poderosos, detentores do controle da mídia e das comunicações e provocou grandes reações de sua parte, porquê não entenderam direito como os serviços pelos quais cobravam, e muito, podiam estar à disposição dos reles mortais, sem o seu aval. Neste cenário, muitas novas empresas surgiram e progrediram, levando muitos profetas de plantão a enxergarem e recitarem em prosa e verso o fim dos dinossauros da economia tradicional.

Com certeza, a nova realidade trazida pelas tecnologias de ruptura causaram grandes dores de cabeça nos antes, inatingíveis, barões da mídia e das comunicações. Todavia, o poder aliado ao capital ainda é o mote maior da humanidade e não deve ser subestimado..."

( Eng. Celio Franco - www.nossosp.com.br )

12/Janeiro/2004:

"A UTOPIA DA INTERNET LIVRE - parte 2"
click aqui e veja o texto na íntegra

"... A compra da Time Warner pela AOL, no limiar do terceiro milênio, comparada enfaticamente à vitória de David frente a Golias, chegou a parecer o selo definitivo de que a economia virtual substituía a economia formal e que as novas empresas estavam no comando. Contudo, como já dito, o poder aliado ao capital ainda é o mote maior da humanidade e o que passou um tanto despercebido, uma jogada capital, foi a compra da outrora 'guardiã da liberdade' na grande rede, Netscape, pela AOL, obscurecida pela grande compra/fusão a gigante Time Warner.

A partir dos anos 2000, e desse primeiro movimento, uma grande seqüência de jogadas passou a trazer, mais e mais, os antigos e considerados 'em extinção', dinossauros, para a economia virtual, com toda a força de seu 'poder capital', difícil de enfrentar por uma economia incipiente e sem um alicerce sólido. Em todas as áreas do desenvolvimento humano, mormente no comércio eletrônico e nas comunicações começaram a emergir conhecidas e tradicionais companhias, fazendo uso das mais novas tecnologias e conceitos (Data Warehouse / Data Marts, Inteligência Artificial, Web Mining, etc.), aliados a sua grande influência e gigantescas bases de dados. O recado veio 'à cavalo': quem não tiver competência, leia-se capital e poder, está fora, ou no mínimo, bastante encrencado ...".

( Eng. Celio Franco - www.nossosp.com.br )

13/Janeiro/2004:

"A UTOPIA DA INTERNET LIVRE - parte 3"
click aqui e veja o texto na íntegra

"... Qual a realidade atual, menos de quatro anos após os fatos reportados ?

Temos mais da metade do tráfego da internet mundial centralizado, pode-se ler até mesmo controlado, por mega provedores, grande parcela dos quais ligados às operadoras de TELECOM e empresas da mídia tradicional, por razões óbvias do 'poder capital'. Os grandes 'pseudo portais' que, apoiados na alegação de prover conteúdo e de oferecer uma navegação agradável, praticamente aprisionam seus 'internautas-clientes' dentro de suas 'fronteiras', abdicando da própria denominação primeira: PORTAL, ou seja, o que permite 'adentrar a novas fronteiras' ou o que facilita 'navegar no desconhecido'.

Vemos a transformação gradual da outrora romântica e agradável 'grande rede mundial' em um mega 'camelódromo' virtual, disfarçado sob denominações elegantes, como 'e-commerce', 'e-business', 'B2B / business-to-business', 'B2C / business-to-consumer' e tantas outras, oriundas dos gênios do marketing eletrônico, que pululam e são criadas a cada dia, confundindo até mesmo os expertos, 'camelódromo' este onde a palavra de ordem é vender, qualquer coisa, a qualquer custo e por qualquer meio, sem observar escrúpulos, desconhecendo a ética ou as normas básicas do respeito mútuo, no sentido estrito e pejorativo do lucro-pelo-lucro... "

( Eng. Celio Franco - www.nossosp.com.br )

14/Janeiro/2004:

"A UTOPIA DA INTERNET LIVRE - parte 4"
click aqui e veja o texto na íntegra

"... Vemos ainda o outrora brioso 'correio eletrônico', que guardava estreita relação com os gloriosos CORREIOS do mundo real, transformar-se dia-a-dia em apenas outro braço desse 'camelódromo' virtual, onde toda sorte de quinquilharias são oferecidas. Em contraparte, como esta ferramenta se constitui em uma das últimas opções ainda disponível aos 'pequenos atores' do mundo virtual, configurando um 'risco', vemos os mega provedores de serviço e portais, os mesmos detentores do 'poder e capital', apoiarem-se no forte e inatacável argumento da 'necessidade dos filtros ANTI-SPAM', para instalarem mais e mais, na internet, caríssimas tecnologias de última geração, a exemplo dos 'Switches Layer 7 (hardware e software)', com a finalidade de 'filtrar', leia-se excluir ou jogar fora, os e-mails 'indesejáveis'.

A pergunta cabível neste ponto é: INDESEJÁVEIS A QUEM ? ao próprio internauta , que tem as ferramentas para fazer esses filtros, por si mesmo, em qualquer programa de correio eletrônico ou aos provedores de serviço que com esses procedimentos, em primeiro lugar 'aliviam' as suas redes, no mais das vezes precariamente dimensionadas para suportar até mesmo o tráfego de texto, na era da multimídia e, em adição e não de somenos, conseguem exercer, mais uma vez, o CONTROLE sobre seus assinantes, proibindo que lhes cheguem 'mensagens de fora' (promoções comerciais e outras) e tornando-os seu 'mercado-curral', unicamente acessível aos produtos e promoções próprios e de parceiros, leia-se aqui: venda de permissões para envio, venda de cadastros e muitas outras 'possibilidades comerciais' de valor agregado ..."

( Eng. Celio Franco - www.nossosp.com.br )

15/Janeiro/2004:

"A UTOPIA DA INTERNET LIVRE - parte 5"
click aqui e veja o texto na íntegra

"Concluindo para não ser monótono, a internet livre infelizmente já constitui uma utopia.

Durante a 'Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação-ONU', ocorrida em Dezembro de 2003, vimos o foco da discussão girar em torno de vários temas, sem dúvida importantes, como a exclusão trazida pelo abismo tecnológico e a necessidade de conteúdo multicultural, mas em nenhum momento notamos a preocupação dos líderes mundiais ali presentes, ou de seus representantes, com um dos maiores problemas que vivenciamos na grande rede: a possibilidade de vermos concretizado, em breve, o sonho ficcionista do gênio George Orwell, em seu 1984.

Já vivemos em um ambiente de 'liberdade vigiada' quando navegamos pelos 'sites' da grande rede, sob o 'olhar atento' dos mecanismos de 'Web Mining'. Já vivenciamos um ambiente de 'invasão de privacidade' , quando temos nossas correspondências eletrônicas censuradas por desconhecidos, sob alegações válidas mas com propósitos escusos, que poucos ainda conseguem vislumbrar, devido a falta de experiência no 'cyber espaço'. Vivemos um clima de 'terrorismo eletrônico', patrocinado de um lado pelos vírus de computador que somente beneficiam, de alguma forma, os próprios que nos 'protegem' contra eles e de outro, pelos freqüentes ataques dos piratas do mundo virtual, conhecidos como 'hackers', cuja responsabilidade e risco deveria ficar a cargo exclusivo dos detentores do 'poder e capital', que nos incitam, por meio de portentosas campanhas de marketing, a utilizar toda sorte de aplicações envolvendo transferência eletrônica de fundos na internet (internet banking, e-commerce, WebEDI e outros.) mas que, quando vêem o prejuízo configurado, acabam tentando se safar da responsabilidade, alegando falta de competência do 'usuário' no uso de uma simples INTERNET', acessível até mesmo a uma criança ...

O que podemos fazer ? Tornarmo-nos especialistas no 'cyber espaço', aprendendo a lidar com toda essa complexidade ou utilizá-lo com bastante cautela, fugindo das campanhas mirabolantes, principalmente dos que detém o' poder-capital', que sempre possuem uma ou mais segundas-intenções, principalmente se a palavra GRÁTIS é utilizada."

( Eng. Celio Franco - www.nossosp.com.br )

16/Janeiro/2004:

"EU TENHO UM SONHO"
- Marcha para Washington -

"Eu tenho um sonho: que um dia esta nação se levante e viva o verdadeiro significado de seus princípios. Nós não percebemos estas verdades por serem tão evidentes por si mesmas - todos os homens são criados iguais.

Eu tenho um sonho: que um dia, nos montes vermelhos da Geórgia, os filhos dos antigos escravos e os filhos dos antigos senhores possam se sentar juntos, em uma mesa, como irmãos.

Eu tenho um sonho: que um dia, mesmo o estado do Mississipi, um estado deserto, o suor do calor da injustiça e da opressão, seja transformado em um oásis de liberdade e de justiça.

Eu tenho um sonho: que meus quatro filhos um dia vivam em uma nação onde não sejam julgados pela cor da pele, mas pelo seu caráter.

Hoje eu tenho um sonho, sonho que um dia o estado do Alabama, onde dos lábios dos governantes hoje gotejam palavras de discriminação e nulificação, seja transformado em um lugar onde os meninos e as meninas, negros e brancos, possam juntar suas mãos e andarem juntos como irmãos.

Hoje eu tenho um sonho, sonho que um dia todos os vales serão elevados e todos os montes e montanhas serão rebaixados, todos os lugares ásperos tornados lisos e os lugares curvos endireitados. Então, a glória do senhor será revelada e todos, juntos, poderemos vê-lo.

Esta é a nossa esperança. Esta é a fé com que eu retorno ao sul. Com esta fé nós poderemos retirar da montanha do desespero uma pedra de esperança. Com esta fé nós poderemos transformar os acordes dissonantes desta nação em uma bela sinfonia de irmãos. Com esta fé nós poderemos trabalhar juntos, orar juntos, esforçar-mo-nos juntos, sermos aprisionados juntos e levantarmo-nos juntos para ser livres, tendo a certeza de que, um dia, nós seremos livres."

 

( Martin Luther King Jr. -'Biografia' -1929/1968 )

19/Janeiro/2004:

"COM QUE GENTE ANDAMOS METIDOS!"

"Em Janeiro de 1893, Joaquim Nabuco escreveu para André Rebouças, o amigo que muito o influenciara e partira para o exílio voluntário na África:
'Com que gente andamos metidos! Hoje, estou convencido de que não havia uma parcela de amor ao escravo, de desinteresse e de abnegação em três quartas partes dos que se diziam abolicionistas.
Foi uma especulação a mais! A prova é que fizeram essa república e depois dela só advogam a causa dos bolsistas (especuladores), dos ladrões da finança, piorando infinitamente a condição dos pobres. Onde estariam os propagandistas da nova cruzada? (...) Estávamos metidos com financeiros e não com puritanos, com fâmulos (criados) de banqueiros falidos, mercenários de agiotas etc.; tínhamos de tudo, menos sinceridade e amor pelo oprimido. A transformação do abolicionismo em republicanismo bolsista é tão vergonhosa pelo menos como a do escravagismo.'"

( Joaquim Nabuco - 1849/1910 )

20/Janeiro/2004:

" A SECA "

" De repente, uma variante trágica.
Aproxima-se a seca.
O sertanejo adivinha-a e prefixa-a graças ao ritmo singular com que se desencadeia o flagelo.

Entretanto não foge logo, abandonando a terra a pouco e pouco invadida pelo limbo candente que irradia do Ceará.

Buckle, em página notável, assinala a anomalia de se não afeiçoar nunca, o homem, às calamidades naturais que o rodeiam. Nenhum povo tem mais pavor aos terremotos que o peruano; e no Peru as crianças ao nascerem têm o berço embalado pelas vibrações da terra.

Mas o nosso sertanejo faz exceção à regra. A seca não o apavora. É um complemento à sua vida tormentosa, emoldurando-a em cenários tremendos. Enfrenta-a, estóico. Apesar das dolorosas tradições que conhece através de um sem-número de terríveis episódios, alimenta a todo o transe esperanças de uma resistência impossível ..."

( Euclides da Cunha - trecho de Os Sertões - 1866/1909 )

21/Janeiro/2004:

" 1984"

" Obediência não é o suficiente. A não ser que uma pessoa esteja sofrendo, como você pode ter certeza que ela não está obedecendo à sua vontade e não à dela ? O poder está em infringir dor e humilhação. O poder está em rasgar mentes humanas em pedaços e colocá-las juntas, de volta, em novas formas escolhidas por você mesmo.

Você começa a enxergar agora o tipo de mundo que estamos criando ? (...) Não haverá lealdade, a não ser ao partido. Não haverá amor, a não ser amor ao Grande Irmão. Não haverá riso, apenas o riso de triunfo sobre um inimigo derrotado. Não haverá arte, literatura ou ciência. Quando formos onipotentes, já não haverá mais necessidade de ciência. Não haverá distinção entre a beleza e a falta dela. Não haverá mais curiosidade, nem alegria no processo da vida.

Todos os prazeres competitivos serão destruídos. Mas sempre -- não se esqueça disso, Winston -- sempre haverá a intoxicação do poder, sempre aumentando e sempre crescendo sutilmente. Sempre, a cada momento, haverá o tremor da vitória, a sensação de pisar num inimigo que já está sem esperança. Se você quer uma imagem do futuro, imagine uma bota pisando num rosto humano -- para sempre (...).

Em um mundo onde o Estado domina e nada é de ninguém mas tudo é de todos, tudo o que resta de privado são os poucos centímetros quadrados do cérebro. E é aí que a batalha se desenvolve, entre o indivíduo e o Estado, lutando na tentativa de controlar a mente. "

( George Orwell - trecho do Best Seller '1984', escrito em 1948 - 1866/1909 )

(Nota de Celio Franco) Com algumas pequenas mudanças, teremos um final atual, que nos remete a uma profunda reflexão:
- Em um mundo onde as Mega-Corporações dominam e nada é de ninguém, exceto delas próprias, tudo o que resta de privado são os poucos centímetros quadrados do cérebro. E é aí que a batalha se desenvolve, entre o indivíduo e as Mega- Corporações, lutando na tentativa de controlar a mente.

22/Janeiro/2004:

"MÁXIMAS DA FILOSOFIA - 42"

"Porque eu sou do tamanho do que vejo,
e não do tamanho de minha altura."

( Fernando Pessoa - 1888/1935 )

23/Janeiro/2004:

"INSPIRAÇÃO"

"SÃO PAULO ! comoção de minha vida ...
Os meus amores são flores feitas de original...
Arlequinal! ... Traje de losangos... Cinza e ouro...
Luz e bruma... Forno e inverno morno...
Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes...
Perfumes de Paris... Arys!
Bofetadas líricas no Trianon... Algodoal!...

SÃO PAULO! comoção de minha vida...
Galicismo a berrar nos desertos da América!"

( Mário de Andrade - 'Paulicéia Desvairada' -1922 )

26/Janeiro/2004:

"REVIVO"

"Revivo os dias do Brasil passado,
nestas praias de SANTOS,
batidas de sol e beijadas pelo Atlântico."

( Cora Coralina - 1889/1985 )

27/Janeiro/2004:

"UM MUNDO MELHOR ATRAVÉS DE ROTARY"

"Um homem pode ser detentor de uma grande verdade, pode criar um grande produto ou descobrir algo muito importante. Mas se ele morrer e ninguém se beneficiar de tudo isso, será porque ele não compartilhou seus conhecimentos com os outros."

( Richard L. Evans - Presidente de RI 1966/1967 )

28/Janeiro/2004:

"MÁXIMAS DA FILOSOFIA - 43"

"Aquele que abre a porta de uma escola,
fecha a porta de uma prisão."

( Victor Hugo - 1802/1885 )

29/Janeiro/2004:

"A HIPOCRISIA SOBRE A ESCRAVIDÃO BRANCA - 1"
(veja o artigo completo)

"Vemos nesses dias, tanto a grande mídia como o próprio governo, se aliarem no justo ataque às práticas ignóbeis da escravidão branca nas fazendas do interior desse grande país. Todavia, até mesmo essa atitude, louvável e humana, esconde por detrás uma enorme dose de hipocrisia, ato contínuo na sociedade 'globalizada' e que, segundo nos parece, não tem data marcada para dela ser extirpada, principalmente por passar desapercebida da imensa maioria do povo que, ou não tem acesso a informação ou se contenta em apenas 'digerir' notícias pré-fabricadas e tendenciosas, abdicando da faculdade maior do ser-humano: 'pensar por si'.

A escravidão deve ser combatida, em todos os níveis e lugares, até mesmo nas fazendas do interior onde seres humanos - homens, mulheres e crianças - trabalham, muitas vezes, unicamente em troca do alimento, roupas e moradia ... Por quê então, falamos de hipocrisia ?..."

( Engº Celio Franco - Gestor do Portal Nosso São Paulo )

30/Janeiro/2004:

"A HIPOCRISIA SOBRE A ESCRAVIDÃO BRANCA - 2"
(veja o artigo completo)

"(...) Por quê então falamos de hipocrisia ?

Porquê a escravidão branca, nos dias de hoje, não deve ser combatida apenas em determinadas fazendas do interior do país onde a vida, por pior que seja, muitas vezes é melhor e mais saudável do que nas grandes cidades. Pasmem, cidadãos brasileiros, mas a escravidão branca vem sendo praticada, já há vários anos e sob os nossos 'narizes', em grande número das nossas cidades mais modernas, por empresas de todos os portes e nacionalidades e às vistas das 'autoridades competentes'.

Vemos aos milhares, mesmo profissionais de 'terno e gravata' e nível 'gerencial', outrora verdadeiros 'executivos' e orgulho da pátria amada, ganhando salários miseráveis, sendo mantidos o mais longe possível de suas famílias por jornadas exorbitantes de trabalho e sem qualquer remuneração adicional, cumprindo ordens como autômatos, sem sequer cogitar em passá-las pelos crivos da razão, da ética profissional e da moral, sob o signo do medo da 'exclusão', pela ameaça constante do 'chicote' da demissão e da fila dos desempregados 'famintos', superqualificados e que trabalhariam pela metade ou até por uma parcela do seu salário... e que cumpririam com satisfação aquela ordem amoral na qual se hesita ou se teima em discutir. (...)

( Engº Celio Franco - Gestor do Portal Nosso São Paulo )

 

Voltar ao Atual

 

Portal Nosso São Paulo - www.nossosaopaulo.com.br