Página Principal
Documentos e Pesquisas sobre o Aloe Vera Novidades Testemunho de Clientes Linha de Produtos Trabalho Conosco

VOLTAR

ALOE VERA - OS FATOS
DR. PETER ATHERTON

1. O QUE É ALOE VERA ?

A Aloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos, nos quais essa planta tem beneficiado a humanidade.

George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade, em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi, de fato, uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores, desde então, descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos, como Dioscorides e Plínio, usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra, no Oceano Índico, com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados, feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra tributaram grandiosamente a Aloe, como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos, beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualmente.

Mesmo existindo 200 espécies de Aloe, há provavelmente apenas 3 ou 4 com propriedades benéficas à saúde. Dessas, a Aloe Vera Barbadensis (Miller), também conhecida como Aloe Vera (Linne), é a mais potente.

A Aloe Vera Barbadensis é uma espécie muito suculenta, e se parece mais com um cáctus, mas é de fato membro da família liliáceas, parente da cebola, do alho e do aspargo. A Aloe alcança a maturidade em 4 anos, quando o gel contido dentro de suas folhas, uma espécie de seiva, pode ser preservado e engarrafado para produzir o suco natural da planta.

Para receber os benefícios da Aloe Vera, o gel pode ser bebido, e será proveitoso na medida em que o organismo receba suas qualidades nutricionais. Pode também ser combinado com outros ingredientes para produzir uma loção tópica, que vai nutrir e contribuir para a manutenção da saúde.

2. DENTRO DE UMA FOLHA DE ALOE VERA

O gel de Aloe Vera contém mais de 75 substâncias, que se dividem nos seguintes grupos:
Vitaminas
Contém um grupo enorme delas. As vitaminas C e E, com ação antioxidante, Beta-caroteno - a precursora da vitamina A. É também uma das poucas plantas fonte de vitamina B12.
Minerais
Magnésio, zinco, manganês, cálcio, sódio, potássio, cobre e ferro.
Aminoácidos
O corpo humano precisa de 22 aminoácidos, os construtores das proteínas, e Aloe Vera gel possui 20 deles. E mais importante ainda é que ele fornece sete dos oito aminoácidos essenciais, ou seja, aqueles que não podem ser produzidos pelo corpo e precisam ser adquiridos diariamente.
Açúcares
Está incluída, no gel, uma longa cadeia de polissacarídeos que age no sistema imunológico, o Acemanann é um dos principais.
Enzimas
As lípases e proteases, que quebram as moléculas dos alimentos e auxiliam na digestão, e também a carboxipeptidíase, que age no processo antiinflamatório.
Esterol da planta
Os três tipos principais agem como um forte agente antiinflamatório.
Lignina
Esta substância dá ao gel da Aloe sua habilidade de penetração, alcançando as camadas mais profundas da pele.
Saponina
É uma substância que aplica uma potente função antimicrobiana contra as bactérias, vírus e fungos, como (*) cândida e (**) micoses.
Antraquinonas
Os mais importantes são a aloína e a emodina, que juntos se transformam em um forte analgésico e são responsáveis por processar as atividades antibactericidas e antivirais.
Ácido Salicílico
Esse componente da aspirina é um antiinflamatório e, quando usado topicamente, ajuda a diminuir a morte dos tecidos.

(*) Candida albicans (algumas vezes chamada de monília) é um fungo normalmente presente na pele e na boca, trato intestinal e vagina. Sob certas condições, pode se multiplicar e infectar a superfície da pele ou de mucosas. Tais infecções normalmente tem pouca gravidade, mas podem ocorrer infecções graves e mais profundas, especialmente em pacientes cuja resistência foi enfraquecida por drogas imunossupressoras ou por doenças graves como a AIDS. Entretanto, alguns profissionais alegam que mesmo quando há ausência de sinais clínicos de infecção, problemas relacionados com os fungos podem causar ou disparar sintomas múltiplos como fadiga, irritabilidade, constipação, diarréia, intumescimento abdominal, mudanças de humor, depressão, ansiedade, tonturas, ganho de peso inesperado, dificuldade para se concentrar, dores musculares e articulares, um grande desejo por açúcar ou por bebidas alcoólicas, psoríase, urticária, problemas respiratórios e nos ouvidos, problemas menstruais, infertilidade, impotência, infecções urinárias, prostatite e "um sentimento de mal-estar geral". A lista de sintomas é similar aquela da sensibilidade química múltipla (SQM).

(**) Micose ou Dermatofitose: A dermatofitose é uma doença transmitida por fungos, conhecida como micose. Esses fungos estão presentes no ambiente e apenas algumas espécies são capazes de provocar doenças no animal. Pode atingir cães , gatos e outros animais. Ela pode ser transmitida de animais para humanos, de animais para animais e de humanos para animais, pelo contato ou atrito (escovas, pentes, aparelhode tosa, abraços, contenção, segurar no colo). .

QUAL O TIPO DE ALOE VERA ?

Não há evidências reais para sugerir que a folha inteira (incluindo a casca e o gel - mais concentrado - que são geralmente filtrados) seja tão eficiente quanto o gel puro. Contudo, o que é mais importante é a qualidade e a quantidade de Aloe num produto manufaturado. Infelizmente, a maioria dos produtos encontrados no mercado, cujos rótulos dizem conter gel da Aloe contém na verdade apenas uma pequena quantidade do gel.

Na dúvida, procure pelo selo de certificação do Conselho Internacional da Aloe Vera, que é um órgão independente que monitora e regula a quantidade e qualidade dos produtos de Aloe. Se o selo de aprovação (que é renovado anualmente) aparecer na embalagem do produto, pode ter certeza de que a qualidade deste é garantida.

POR QUÊ FUNCIONA ?

Funciona porque fornece um rico coquetel de elementos nutricionais, que combinando sua ação e equilíbrio, produz um efeito muito mais poderoso do que aquele que seria esperado se os elementos estivessem separados, individualmente. Isso ocorre porque eles trabalham como um time, intensificando os efeitos de cada um, o que é conhecido como sinergia. A Aloe também tem propriedades (*) adaptogênicas, o que significa que é uma substância que aumenta a resistência do organismo contra problemas como infecções ou stress.

(*) Adaptógenas ou adaptogênicas: Como o nome diz, essas espécies ajudam o homem a se adaptar ao meio em que vive, aumentando a resistência do organismo nas situações estressantes.

ONDE A ALOE FUNCIONA ?

Por causa das qualidades nutricionais e antioxidantes da Aloe, ela ajuda a prevenir feridas no tecido epitelial e quando ele está danificado, auxilia na sua regeneração. Antioxidantes lutam contra os radicais livres, os componentes instáveis produzidos pelo metabolismo e encontrados em poluentes ambientais. Eles são os causadores de vários males, incluindo câncer e o processo de envelhecimento.

O (*) epitélio é um termo anatômico definido como: "Uma camada de células que cobre o corpo ou que alinha uma cavidade conectada a ele".

O nosso maior epitélio é a pele, mas também inclui os tecidos dos intestinos, os brônquios e o aparelho genital. Não é de se admirar que a Aloe trabalhe tão bem em peles feridas quanto em inflamações intestinais ou em asma.

(*) Epitélio: é uma camada celular que cobre todas as superfícies internas e externas do corpo. Os epitélios são caracterizados por serem constituídos de células com formas e disposição variáveis, sem substância intercelular nem vasos. O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos básicos do nosso organismo, juntamente com os tecidos conjuntivo, muscular e nervoso.
O tecido epitelial pode ser classificado de acordo com o formato das células e número de camadas celular. Quanto ao número de camadas celular, ele se classifica em simples e estratificado.

COMO FUNCIONA ?

A ação de seu antiinflamatório natural e antimicrobiano, combinada com seus elementos nutricionais, promovem o crescimento celular e, portanto, ajudam a reverter o processo inflamatório. Contudo, não é útil apenas para pessoas com problemas, pois a maioria, ao tomar Aloe, demonstra uma grande sensação de bem estar. Eles simplesmente se sentem melhor ou se mostram mais calmos e menos ansiosos.

CONCLUSÃO

Aloe Vera não é uma panacéia para todas as doenças e não há mágica nela. Eu acredito que ela funcione, primariamente, nas duas áreas já mencionadas: tecidos epiteliais e sistema imunológico.

Isso é largamente registrado por casos, evidenciados por milhares de pessoas através dos séculos, que relataram os vários benefícios em problemas de pele, como eczemas, psoríase, úlceras, queimaduras, acne e picadas de insetos. Eles também acharam o alívio em doenças intestinais, como colite, diverticolite e síndrome do cólon irritado. Outras condições resultantes de uma desordem no sistema imunológico como artrites, asma, Síndrome de fadiga pós viral e lupus eritematoso, melhoraram depois da ingestão regular do gel da Aloe Vera.

A Aloe Vera, portanto, tem um papel complementar a cumprir no tratamento de várias moléstias. É muito importante, contudo, que as pessoas procurem sempre seus médicos quando o diagnóstico for duvidoso ou quando não encontrarem melhoras em suas condições de saúde. Se autodiagnosticar pode ser muito perigoso porque, às vezes, uma doença grave pode parecer algo sem importância.

PS: Alguns comentários, marcados com (*), foram incluídos com vistas a melhor esclarecer o leitor.

SOBRE O AUTOR
Dr. Peter Atherton
MB Chb. D. Obst. RCOG. MRCGP.

Graduado em 1968 pela Universidade de Leeds, após seis anos no Corpo Médico do Exército Real se tornou clínico geral. É atualmente Sócio Sênior de um Centro de Treinamento prático, com interesses especiais em dermatologia. Trabalhou três anos no departamento de Dermatologia de um hospital regional. Foram esses interesses, combinados com um grande conhecimento das qualidades das plantas medicinais, adquiridos enquanto servia no oriente e na Índia, que o levaram à fascinação pela Aloe Vera. Ele ministra diversas palestras sobre os aspectos medicinais da ALOE e é autor de "Aloe Vera Essencial", seu trabalho definitivo sobre o assunto. Além disso, é pesquisador da GIFTS of HEALTH e, freqüentemente, pesquisador temporário na Universidade de Green e Oxford.

(*) Este artigo tem propósitos educativos e não favorece qualquer produto particular que contenha ALOE VERA

VOLTAR